supercrônico

supercrônico
crônicas, contos e poesias

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Por onde anda Eliéser?

  
Mil novecentos e alguma coisa, faz tempo mas ainda me lembro da sala toda inquieta fazendo guerrinha de bolinhas de papel ou caminhando pela sala e rindo de um apelido qualquer a espera da professora entrar na sala, uma vez que soou o sinal para a troca de professores. Nisso não entrou a professora e sim um homem de cabelo grisalho vestindo uma camiseta lisa sem estampa e preta, calça jeans, um blazer cinza escuro e nos mandando sentar-nos e calarmos. Ainda me lembro que a maioria se perguntou:"Quem era?". Antes de pergunta-lo o homem disse: 'Serei o professor que substituirá a Cida de Matemática nessa semana".
O todo elegante professor que a príncipio assustou a sala toda, logo quebrou o gelo com seu descontraído jeito de dar aulas, caminhando entre os corredores de carteiras onde tinhamos que acompanha-lo girando o corpo pra assistir as aulas, falando alto, gesticulando. o nome dele era Eliéser, nunca esqueci.
De fora os demais alunos de outras salas que transitavam pelos corredores da escola ouvia-nos rir enquanto assistiamos a aula do tal professor.
Descobria alí um incentivo pra aprender a temida aula que até então era chata, devido a maneira moderna de dar aula do professor, aula tipo universitária, que hoje já tem se tornado comum em algumas escolas, mas não todas, que o amor por ele em ensinar nos ensinava a ter gosto pela mesma. A galera aprendeu em uma semana o que não tinham aprendido em um ano. O Pisa avalia estudantes de 15 anos completos em todos os países membros da OCDE e essa avaliação registrou a terceira maior evolução do Brasil nas médias de 65 nações e conseguiu superar a barreira dos 400 pontos em leitura e ciências, mas ficou abaixo desse patamar em matemática. O resultado, no entanto, ainda está longe de ser positivo. Nas três áreas, pelo menos a metade dos jovens brasileiros não consegue passar do nível mais básico de compreensão.
Tem quem diz que isso é o retrato da falta de interesse dos alunos nos estudos e do desinteresse dos professores em dar aula. Aluno sempre foi desinteressado e vai adquirindo esse interesse conforme vai amadurecendo e compreendendo a importância dos estudos e o professor tem uma grande importância em despertar o desejo por aprender. Mas que professor da rede pública tem interessece em dar aulas com o pouco salário que ganha? E sendo assim como despertará o gosto pelos estudos dos alunos? Por onde anda
Eliéser?





Um comentário:

  1. Eliéser existiu, não tinha bigodes e dava aulas de geografia.

    ResponderExcluir