supercrônico

supercrônico
crônicas, contos e poesias

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Prazer! Meu nome é Oswaldovino

Já fazia uns dez dias que ela tinha entrado como nova funcionária na loja, atendendo os clientes no balcão de entrada, enquanto eu mal a via durante o dia por trabalhar nos fundos, organizando o estoque e separando pedidos, mas quando eu a via meu coração disparava e a boca sorria involuntariamente de tanto encantamento. Ela era perfeita , morena, alta, do cabelo liso e os olhos verdes e essa perfeição se deu até o dia em que eu me aproximei e perguntei seu nome:

__ Posso saber seu nome?
__ Sim claro, me chamo Leovegilda Rosicláudia Paredina .

E ela prossegui dizendo que era irmã da Iracema, da Moema, da Otacilia,da Dizmeire, da Nereide, prima da Ladisley, da Lizia e etc...
Como é que pode? Tão bonita mas com um nome tão estranho. Talvez seja um legado de família, como uma competição criativa cujo as vítimas são as crianças, que hoje. por ser criança ão entende, mas ao crescer, se não tiver jogo de cintura, será constrangida em rodas de amigos no colégio. O bom é que da pra contornar com um apelidinho básico, no caso da Leovegilda, que pode ser chamada de Gilda, que o nome não ficará tão estranho e ninguém saberá até perguntar seu nome original.
Claro que não podemos definir o caráter de uma pessoa simplesmente por ter um nome diferente do comum, tanto que temos várias personalidades de talento e sucesso da midia nacional, que esconde o nome próprio de batismo atrás de um nome artístico, sem deixar de ser talentosa por causa do nome. Por exemplo o empresário e apresentador de TV Sílvio Santos, se chama Senor Abravanel e do Trapalhão Dedé santana se chama Manfried SantÁnna. Alguém sabe o verdadeiro nome de Lima Duarte? Ele se chama Ariclenes Venâncio Martins.
 Pois daí eu penso; Uma moça tão bonita no mínimo foi um bebê bonito também. Como é que seus pais conseguiram olhar para aquele nenem tão lindo e um sorrir para o outro e dizer: " O nome dela será Leovegilda Rosicláudia Paredina". Se bem que Leovegilda não é tão feio se compararmos com outros que descobri fazendo pesquisas, veja os exemplos:

Abrilina Décima Nona Caçapavana Piratininga de Almeida

Primeira Delícia Figueiredo Azevedo

Produto do Amor Conjugal de Marichá e Maribel

Maria Tributina Prostituta Cataerva

Marciano Verdinho das Antenas Longas

Lança Perfume Rodometálico de Andrade

Himineu Casamenticio das Dores Conjugais

Flávio Cavalcante Rei da Televisão

Ava Gina (em homenagem a Ava Gardner e Gina Lolobrigida)

Antonio Manso Pacífico de Oliveira Sossegado

Os estados do Ceará, Bahia e Paraíba são campeões em criatividades nos nomes dos próprios filhos. Imagina nos anos de 50 e 60 para trás, aonde era comum casais simples terem mais de 6 filhos, haja imaginação pra nomear todas essas crianças. Tem muita gente que tem o nome diferente devido ao analfabetismo dos pais, que na hora de registrar os filhos disseram o nome errado ou devido a um erro ao escrever o nome do cartocista.
Em toda década nasce uma geração de crianças e nessa geração vários nomes costumam se coincidir, nós chamamos de nome da moda. Mais tarde essas crianças vão envelhecer e outra geração surgirá com uma nova onda de novos nomes e, 50 anos depois, os nomes daquelas crianças que hoje já são velhas tornam a voltar moda. Por exemplo: Hoje é comum ver crianças se chamar Pedro. Antônio, José, Maria, Laura, Sofia e aqueles nomes que surgiram a tona na década de 80 como: Luciana, Ricardo, Rogério, Andréia estão em baixa.
Mas, depois de ter perguntado a ela seu nome, ela também me perguntou o mesmo e, educadamente eu respondi:

__ O prazer é meu, meu nome é Oswaldovino de Oliveira Borborema.

Texto escrito no dia 02 de Janeiro de 2011 e reeditado no dia 20 de Dezembro de 2011

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Quanto mede o amor?

Uma girafa macho adulto mede 6 metros de altura, enquanto um beija-flor mede de 6 a 12 cm, uma gritante diferença de tamanho entre ambos e bem longe do tamanho dos 33 metros e 200 toneladas da baleia azul.
Já o avestruz chega a medir 2,7 m de altura, que cabe tranquilamente no corpo elástico e comprido, dos 15 metros de cumprimento da maior serpente já capturada no mundo, uma Piton, exibida num parque da Indonésia.
Mas se eu somar o tamanho desses todos não dão o tamanho da escadaria suiça, que pertence ao comboio funicular de Niesenbahn (já não sei o que é isso) que chega a uma altura de 1.669 metros com 11. 674 degraus.
Isso tudo é fácil de descobrir, basta apenas digitar no google, mas quanto mede o amor? Quanto mede e como mede? Será que é com os segundos de sensação de saudade? Será que é com o excesso de cuidados? Será que é com o desejo de querer ter o que se ama a toda hora? Com refrão da canção favorita? Com poesia? Flores? Ou com o senso cardiopulsados?

"Nem mesmo o céu nem as estrelas
Nem mesmo o mar e o infinito
Não é maior que o meu amor
Nem mais bonito..."

O Roberto Carlos mediu, mas como? Talvez no seu sentido figurativo, imaginário.
"O meu amor mede 1,65 m de altura" disse um amigo e eu perguntei: Como? como mediu? Depois ri quando descobri que ele se referia à amada dele.
Duas pessoas que se amam podem se amar no mesmo nível? na mesma intensidade? Será que tem como pular da paixão e ir direto pro amor? Será que o tempo pode fazer amar quem não ama?


"A medida de amar é amar sem medida
Velocidade máxima permitida
A medida de amar é amar sem medida..."
  
Assim Disse Humberto Gessinger e assim diz todos que ama sem pensar em números, sem pensar em dinheiro, que só quer amor sincero, que só quer amar, só quer amar, só quer amar...

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Síndrome de Peter Pan

Arrastado rua a fora pelo braço, assim que entrou foi jogado numa espécie de cama estreita, baixinha e de couro, nada confortável, cujo um homem já de idade, careca, vestindo branco, sentará numa cadeira de frente com ele. Sua mãe foi a quem arrastou pelo braço pelas ruas aos olhos das fofoqueiras de portão que cochichavam entre elas, que após lança-lo na cama estreita, baixinha e de couro, puxou uma cadeira, sentando ao lado do seu filho que tentava se ajeitar no pouco espaço lateral da cama e ficando diante do homem careca de branco.
O homem disse: "pode falar, fique a vontade rapaz", mas, quando o moço foi perguntar o porque de estar alí a mãe a interrompeu logo dizendo:

"Ele não cresce doutor", e o doutor prosseguiu perguntando surpreso: "Como? Ele deve ter 1,90 quase", e a mulher com ar de preocupada disse: "Não doutor, você não entendeu, vou lhe contar: Ele só veste roupa de garoto, bermuda, boné, camisetas com estampa de heróis de desenhos animados, solta pipa, joga betcha, anda de skate voltando sujo de terra de tanto que deita nas calçadas e só ouve I don´t wanna grow up do Ramones. Seus amigos são bem mais novos do que ele, digo bem mais novos mesmo, adora andar descalço, não dorme sem beber leite gelado com achocolatado em pó, só come de colher, devora tabletes inteiros de iogurte de morango, não pensa em se casar, aventureiro, coleciona figurinhas de jogadores do campeonato brasileiro, aluga filmes dos atuais clássicos da Disney e vara a noite deitado num colchonete no chão da sala, vestindo seu pijama do Ben 10 e pantuflas de tigre enquanto assiste os filmes e até acha que voa Doutor."

O doutor coçou a careca, depois coçou o queixo, tirou os óculos que estava pendurado na gola da camisa branca, verificando as lentes num raio de luz solar que entrara pela janela limpando-as com a própria camisa, depois pendurou-o de volta na gola da camisa branca, coçando o queixo mais uma vez e disse: "Ele sofre de Síndrome de Peter Pan minha senhora"

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Vendedor - O inimígo público

Sabe quando você esta no banho quente, em pleno mês de junho, faz frio lá fora e você relaxa sentindo a água cair em gotas nas suas costas, mas um furo mal planejado em seu chuveiro lança uma gota fria que cai bem no seu ombro. Chato não é!? Tão chato quanto aqueles programas de domingo a tarde, que você acaba assistindo por não ter o que fazer em um domingo tão chato quanto aos  mesmos programas que passam na TV. E aquele amigo que chega na sua casa a qualquer hora, entra sem chamar ou apertar a campainha, te acorda puxando seu edredon da cama, abre a geladeira e depois quer ir aonde você vai. Esse pingo chato, esses programas de domingo e esse amigo importuno, são tão chatos quanto à aqueles vendedores que te ligam na hora do almoço pra te vender um curso de informática ou produtos veterinários. O curso é até interessante e o sal pra boi também, mas não estão em seus planos. O vendedor te convence a importância do curso mas te incomoda por uns 10 minutos enquanto você diz não.
O CIDADÃO COMUM TEME O VENDEDOR COMO SE TEMESSE UM INIMÍGO PÚBLICO. As palmas no portão soam como uma rajada de metralhadora R-15 e aquela mala de couro na mão deles mais parece um porta-munição.
Ah! Quem nos dera se todo mal do mundo fosse os vendedores, que se as comunidades ao invés de serem tomadas por traficantes ou mílicias, fosse invadidas por individuos que tentam ganhar a vida te empurrando mercadorias e que ao invés de ser assaltado a mão armada você fosse abordado por um vendedor que te diria frases decoradas de markenting tipo:
"Você quer comprar um livro de auto-ajuda escrito por um sábio  chinês e que de brinde você ganha outro livro de receitas escrito por Ofélia?".
E você um bom cidadão consumidor acoado diz não, mas que logo é abordado por outro que diz:
"Você deseja comprar um shake emagrecedor que no ato da compra leva também  uma caixa de barras de cereais e uma gelatina diet?"
Nisso você continua a dizer não mas da de cara com um senhor de chapéu de palha e um cesto também de palha na mão que te diz: "Olha o queijo fresquinho de minas" e você sem suportar diz NÃOOOOOOOOOOO!!!
Pior é quando você esta do outro lado e deixa de ser alvo pra ser um caçador assíduo de consumidores tentando convence-los com suas técnicas verbais de venda. É ruim se sentir temido, pois independente de ser legal ou chato os vendedores são trabalhadores honestos como qualquer um.
Cabe ao vendedor ser sútil e agradável e o consumidor atende-los com respeito e educação.

Texto escrito e publicado no dia 28/12/10 e reeditado no dia 24/11/11

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

O gazeteiro

"Na compra de um jornal você leva um brinde e só paga um real"

Era uma frase elaborada e decorada, mas bem que funcionava na época em que eu gazetava no farol do cruzamento das avenidas Piedade e Estudantes, em São José do Rio Preto-SP. Era um atrativo além da leitura, que eu oferecia toda quinta-feira para melhorar minhas vendas de jornal, mas tinha aqueles que com brinde ou sem brinde, nem olhava para o lado, permanecendo intacto, segurando firme ao voltante, até então eu insistir e completar a frase dizendo que o brinde era uma nota de cem reais. O 'Mauricinho' no carro do ano me virava num súbito e árduo movimento, sorrindo e já com a mão no bolso de trás pra tirar a carteira e comprar um jornal com o brinde faturado, pra em seguida fechar o rosto descobrindo que é mentira minha, com ar de "não teve graça" pra no fim eu sorrir, ou melhor, 'rolar' de tanto rir. Era uma mentira feita pra testar a personalidade destes mesquinhos movido a gasolina.
Percebi o quanto muitos se acham superior pelo simples fato de estar acomodado nos estofados de um carro, com ar condicionado e som potente, ainda mais diante de alguém que se expõe ao sol ardente, a chuva, o vento frio das manhãs e o perigo de ser atropelado por um motoqueiro enfurecido: "Hoje sou eu que está aqui, mas amanhã pode ser você", pensava eu com meus botões, apesar de achar que ninguém é mais que ninguém, por portar bens materiais que se degradam com o tempo.

"Na compra de um jornal você leva um brinde e só paga um real"

Era quase automático, pois bastava eu abrir a boca pra frase sair harmonicamente, as vezes saia com melodia virando refrão de uma música que não exisitia, ou só exisitia sem querer naquele momento e era aí que o cliente/motorista gostava..
O brinde oras era um caldo de galinha em tablete pra temperar a comida, oras era um cupom pra preencher e ganhar descontos na entrada do cinema e assim por diante e, de tanto pronunciar a frase, que era quase um slogan, me embananava todo trocando a ordem das palavras:

"Na compra de um brinde você ganha um real e só paga um jornal"

Caracas, quando eu percebia já tinha falado, era a força do hábito versus o tempo escasso que corria atrás de mim, feito avalanche nas montanhas geladas de um pólo qualquer do nosso planeta imenso, cujo eu ia de carro em carro, naquelas longas filas de motoristas impacientes, que eu sem perder a minha, cumpria meu horário de labuta feliz da vida

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Cadú diante do trem

Cadú passou a infância no início dos anos 90, e ele e seus amigos tinham como diversão a rua, numa época em que não existia internet, celular e toda parafernalha que o avanço da tecnologia disponibiliza aos jovens da atualidade. Ora jogava betcha, ora jogava bola descalço e sem camiseta, ora soltava pipa, ora descia a ladeira num carrinho de rolemã, desenhando o trajeto pra quem vinha atrás em outro carrinho de rolemã também, com pó de mico no asfalto e etc, sendo assim feliz. Mas essas eram as brincadeiras que ele e sua turma exerciam diante dos olhos dos seus pais, pois muitas vezes, quando enjoavam dessas peripércias toda e comum de qualquer criança pobre da época, eles saiam pra quebrar os vidros de uma casa velha abandonada no bairro, pra apanhar seringuela no barranco, pra deslizar o corrimão da passarela que liga o bairro ao antigo Cine Aquárius num  pedaço de papelão. Saíam pra pregar também chiclete mascado na campainha do vizinho pra sair correndo depois e algumas vezes, pra desafiar o trem de frente, era o mais perigoso, porém o mais divertido. Sim, sentavam eles pra conversar na linha férrea de dormentes velhos e cheio de farpas, que passa debaixo do viaduto que liga a avenida Murchid Homsi ao Parque da Represa Municipal, mas precisamente  próximo a uma da tarde, no horário que o trem com dezenas de vagão carregados de soja, óleo, milho, algodão e etc passava.
Olha o trem! Alguém gritava avisando e os demais levantavam em seguida aguardando-o.
Duda costumava desafia-lo descendo a bermuda e urinando enquanto ele se aproximava, Kiko, Gordo e Dani, esperavam o trem se aproximar a poucos metros de distancia pra então fugir sem sair da linha férrea até aonde dava e pularem de banda, mas Cadú desafiava-o de frente, olhando pro farol e pra cara do maquinista que o ensurdecia com a buzina fazendo cara de espanto, pra depois só pular pro lado escapando da morte.
Mas o tempo passou, cresceram, constituindo família e cargos profissionais.
Ouvi dizer que Duda casou, esta morando na Zona Norte da cidade e abriu uma fábrica de semi-jóias nos fundos de casa. Dani, a unica menina que vivia no limite com os meninos, assumiu gostar de menias e mudou pra outro estado afim de estudar arquitetura, Gordo, já não é mais gordo e detesta quando um amigo de infancia que a reencontra lhe chame assim e Kiko, de todos foi o que eu recebi a pior notícia, pois dizem que ele esta acamado, não progride mas também não parti pra pior. As más linguas falam que ele tem HIV e não se cuidou a ponto de chegar a tal estágio.
Cadú era o único que ainda morava no mesmo bairro, na mesma rua, na mesma casa com os pais, sempre buscando novos rumos de desenvolvimento pessoal, sem querer cortar o cordão umbilical que o ligava do presente às lembranças da infância, apesar dos quase 30 anos de idade.
Certa vez, Cadú foi visto andando cabisbaixo, encurvado pra baixo e pra frente, como se carregasse um fardo invisível e pesado nas costas, numa tal tristeza que só ele entendia. Desceu a rua Aterradinho, caminhando em direção ao Júpiter Olímpico até então ver o trem fazendo a curva, saindo da estação, enquanto atravessava a linha férrea. Cadú lembrou de cada instante da infância sem juízo e quis sentir se ainda tinha a mesma coragem ficando estático diante do minhocão voraz de ferro, olhando pro farol do trem e pra cara do maquinista que a ensurdecia com a buzina e com cara de espanto, como um toureiro que encara o touro, como um jogador atento pra bater um pênalti.
Alguém gritou: "Você é muito jovem pra morrer", mas a buzina do trem era tão alta que Cadú nem ouviu, saltando de lado, escapando da morte, provando que a mesma coragem de menino prevalecia em seu ímpeto, com a certeza de que a dor que lhe afligia se foi, carregado com a força da velocidade do trem.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

O mundo exagerado das mulheres

Chegará uma hora em que elas sentirão os sintomas que lhe afetará em toda a sua esfera biológica, psicológica e social. Chegará uma hora também que elas vão ficar irritadas, ansiosas, deprimidas, com dores de cabeça, cansaço, devorando caixas e caixas de chocolate, culpando o homem por não sentir o mesmo, desejando o mesmo, suplicando o mesmo, pois daí será o início de uma nova vida.
Assim como o apito de um árbitro de futebol, assim como a bandeirada da fórmula1, assim como o disparo numa prova de revezamento 4X4, tudo tem seu começo e o começo das mulheres se enlouquecerem e enlouquecerem o homem por tabela, elas chamam simplesmente de TPM (Tensão pré menstrual).
Nisso elas vão chorar lhe pedindo sua presença ou vão te expulsar de casa sem você saber o porque, se adaptando a dismenorréia (cólica menstrual) e as mudanças do corpo. Vão também crescer, se desenvolver tanto fisicamente, socialmente, psicológicamente, passando por desilusões amorosas, profissionais, conquistas, amores e vão tentar por várias vezes matar uma barata de 3cm mais ou menos a gritos (eu nunca vi uma barato morrer a grito) desesperados.
O interessante (ou o desinteressante) é quando elas te atrasam em algum compromisso, pois estão se trocando, provando a mesma a roupa que elas já conhecem e tem no guarda roupa a muito tempo, tirando-as e vestindo-as por várias vezes, olhando a bunda no espelho, porém daqui a pouco terá uma festa, nessa festa terá outras mulheres e lá vai rolar uma guerra fria de imagens: "Porém não o importa o que eles pensam, mas sim o que elas acham", diz o lema feminino.
E o ápice dessa loucura toda, será a preocupação exagerada com um "defeito" real ou imaginário em seu corpo, ou seja, vão se olhar no espelho por horas e horas e vão dar ênfase a qualquer coisa do tipo: pinta, espinha, pneuzinho, um pêlo crescido e se sentirão gordas, obesas, mesmo sendo magras. Mas mal sabem elas que nós amamos elas mesmo assim, que quem esta do lado delas somos nós e não vivemos sem elas (com recíprocidade).

sábado, 29 de outubro de 2011

O triste fim dos moicanos

Originalmente o movimento punk surgiu em meados dos anos 70 como uma manifestação cultural juvenil,  sustentando valores como anti-machismo, anti-homofobia, anti-facismo, anti-racismo, amor livre, anti-lideranças, liberdade individual, liberdade para acreditar ou não em um deus ou religião qualquer, com o príncipio de autonomia do faça você mesmo, numa aparência agressiva e sarcástica.  Entre os elementos culturais do movimento punk estão: o estilo musical, a moda, o design, o senso crítico político, social e moral, expressões linguísticas, símbolos, códigos de comunicação e um corte de cabelo arquitetonicamente armado com gel ou água e sabão de coco.
 Este corte de cabelo tem envolvimento direto com os indios moicanos que preferiam morrer a deixar serem controlados pelos homens brancos, que chegaram a seus territórios; por isso, os punks usavam este tipo de corte para simbolizar a sua luta contra o sistema de governo, que quer impor todo tipo de controle à liberdade do povo, "é preferivel morrer do que viver como um fantoche"
Os tipos de moicanos mais comuns eram o leque (em forma de crista) e o spike (tipo espinhos).
Bastava olhar um jovem de moicano pelas ruas da cidade para a sociedade interpreta-lo como um rebelde sem causa, que oras manifestara contra alguma indignação pessoal, mas os moicanos cairam junto ao movimento, que veio perdendo as forças ao longo do tempo.
Caíram da cabeça e foram parar aonde poucos podiam ver, tocar, a não ser folheando as páginas de uma revista erótica dos anos 80, aquelas que alguns mecânicos insiste em guardar numa caixa, no quartinho dos fundos.
Me lembro quando era garoto, eu e alguns amigos viviamos achando sem querer, revistas abandonadas na linha do trem, aonde folheavamos, víamos e reparavamos numa "Ele e Ela" ou "Playboy" qualquer, os cortes dos pelos pubianos da modelo que naquela revista abandonada posava. Lídia Brondi usava, Luiza Brunet usava, Luciana Vendramini, Tássia Camargo também, além de Luma de Oliveira, Lucélia Santos e outras que não me lembro mais, que adotavam o corte moicano nos pentelhos além do corte "pizza", "bigodinho do Hitler" ou "Black Power". Digo aqueles que apareciam, devido a censura da época, hoje algumas modelos e atrizes posam em fotos quase ginecológicas e aderem o corte Ronaldo fenômeno da copa de 2002.
Mas depois de passar pelos desejos mais secretos dos garotos, o moicano volta pra cabeça dos mesmos, mas nos garotos dos dias de hoje, estimulado por craques do futebol, que se deu início ao jogador inglês  David Beckham e se tornando moda através do jogador Neymar.
Toda vez que eu cogitava em cortar meu cabelo moicano, minha mãe quase enfartava e dizia que se eu aparecesse com um corte desse na cabeça, era só fazer as malas e voltar pra rua denovo. A imagem do moicano era relacionado a marginalidade, mas hoje crianças de qualquer idade usam o corte, cujo aonde alguns pais até levam o filho no salão de cabelereiro.
Ou seja, é moda, é algo que perdeu a graça, sem uma ideologia ou propósito, a não ser a de ser igual ao meu "amiguinho" da escola.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

O semáforo empregatista

Qualquer pessoa, adulto, criança ou individuo fora da sua sanidade mental, destingue muito bem os valores de cada cor de um semáforo, mas a cor que causa mais paúra no motorista é a vermelha, a primeira das três, que o faz parar diante de uma fila de carros engarrafatosos, que buzinam sem paciência, atrasando-o em alguns minutos, pra chegar no lugar que tanto deseja. Mas essa é a opinião de quem só ve o lado negativo da coisa, pois o lado bom é que a parada no semáforo pode ser muito beneficiente a muitos, que além de dar liberdade a outros carros cruzarem a rua sem provocar acidente, pode lhe dar um instante importante pra vc atender um celular, trocar o CD, olhar no espelho, maquiar-se, pentear o cabelo, fazer anotações, cumprimentar um amigo que coincidentemente parou na fila ao lado e gerar empregos.
É um show a parte dos malabares equilibrando garrafas em fogo, que sobem e descem colorindo a noite monótona das avenidas, despertando o encantamento de quem assiste atentamente na grande platéia formada por carros e que por fim retribuem com qualquer moedinha, como se fosse o valor do ingresso do show sem um valor estipulado, aonde o próprio artista recebe diretamente em mãos o cachê, de cada um do público pagante.
Corajosos são os panfleteiros, que além de encarar o sol, enfrentam o perigo das motocicletas que aceleram entre os corredores que formam de carros nas avenidas, fora o destrato de motoristas que se acham superiores por usufruir da comodidade de um carro, mesmo sendo velho, fora de linha, pra distribuir informações comerciais, socias, trechos de orações e outros, impressa num papel cochê ou sulfite, colorido ou em preto e branco, pra no fim do mes receber pelo serviço.
No semáforo tem garotões, que aumentam o som do veículo no último, exibindo o braço forte tatuado para fora da janela à mocinha ao lado, tem gente que xinga esbravejando farpas maucriadas o motorista da frente ou de trás, tem gente que boceja e se distrai a ponto de não perceber que o sinal ficou verde e tem também um enorme comércio ao céu aberto, em um espaço democrático e público, que vai de um pobre garoto vendendo drops,  a um vendedor de água de coco, de doces, acessórios para carros, adesivos, ou flanelinhas, gazeteiros e etc, dividindo sonhos e esperanças.  Sem deixar de citar as crianças carentes que pedem descalças no asfalto quente esmolas, que é um caso a ser falado em outra postagem.
Defendo o trabalhador autônomo, que humildemnte usa do espaço público, sem desrespeitá-lo pra trabalhar, mas sei que em cidades grandes o interessante é ficar atento, depois das 10 da noite devido ao alto índice de furtos e roubos, e sabendo disso, muitos motoristas se incomodam quando um trabalhador lhe aborda oferecendo seus serviços, mas, incomodo maior é ver gente na rua, enfrentando filas e filas pra dar uma entrevista pra uma vaga de emprego, dispostas a encarar qualquer coisa pra sustentar a família, sujeito a voltar pra casa e ter que enfrentar por várias vezes a mesma coisa durante a semana, até se sentir empregado e enobrecido, sem futuras dores de cabeça. Mas não podemos generalizar, pois qualquer emprego honesto é digno, necessário e cabe a nós todos respeitarmos.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Aniversário do Super Crônico


No mês de Outubro o blog criado com o objetivo de divulgar crônicas do escritor Vagner Zaffani e o nome de SUPER CRÔNICO completou 1 ano de existência com mais de 16.000 acessos, vários comentários, 145 posts e leitores assíduos, que acompanham e admiram os textos nele escrito.

OBRIGADO

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Nova geração de pais e filhos

Eis uma nova geração de pais e mães antenados nas notícias do mundo e nas mudanças diárias dos próprios filhos, de ensino médio ou superior completo, com perfís nas redes sociais, compartilhando idéias ou trocando músicas via bluetooth com os amigos.
Pais de mente aberta que ouve os filhos a perguntar sobre sexo, paquera, futuro, que caminham de roupas íntimas dentro de casa sem perder o respeito.
É uma nova geração de pai que tatua o nome do filho na lateral do anti-braço, em letras góticas ou de convite de casamento, já as mães preferem tatuar um singelo anjo nas costas, com o nome das crias embaixo, e ambos permitem que os filhos tenham sua liberdade de identidade, tendo também tatuagens (depois dos 18 anos), brincos, pierces, cabelos coloridos, orientando-os sobre o que é bom e ruim para vida toda.
São pais jovens, mesmo tendo a idade avançada, que não aceitam educar seus filhos com a mesma educação arcaica e rígida que seus pais lhe deram, provando como é ser pai, ser mãe, com carinho e respeito.
Uma geração de filhas que convidam as mães pra ir pra balada, barzinho, cinema, pois a mãe além de ser mãe, fala a mesma língua da filha e das amigas. Filhos que vai ao shopping com o pai, ensina a jogar guitar hero levam o pai pro 'racha' e com todo orgulho do mundo grita: "Toca a bola pai, toca..."
Geração de mães que trabalham, que ralam, que educam e que vaidosas se cuidam, sem deixar de ser uma ótima mãe. Geração de pais e mães casados, mas alguns separados, solteiros, viúvos, casados com outro do mesmo sexo e vice-verso. De filhos que tem dois pais, duas mães ou cujo a mãe agora é a vó. Lamento pelas mães que abandonam filhos em caçambas de entulho ou no lago da Pampulha. Lamento pelos pais que são apenas pais biológicos e passam a vida ausente dos filhos.
Uma nova safra de pais e mães que incetivam o filho ou a filha à arte e diz: "tocar guitarra é tão promissor quanto ser engenheiro cívil, só depende de você meu filho", e além de tudo tem orgulho do talento do jovem.
Uma geração de pais que permitem ser chamado de "você" ao invés de "senhor", pois ser "senhor" é ser velho, e o pai moderno quer ser tão jovem quanto ao filho, uma vez que pra ele ser chamado de "você" não é falta de respeito.
Uma geração nova que veio pra ficar, que não participei sendo filho, mas que participarei sendo pai, pra ser feliz também.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Dias de calor eterno

São dias de acordar no meio da noite, com o lençol que se arrasta pelos corredores da casa até o banheiro, capturando partículas de poeira pelo chão, grudado nas costas suadas e tomar um banho gelado, depois voltar a cama e ficar no liga e desliga do ventilador, que oras refresca e oras esfria demais. São dias de arrancar a roupa toda, escancarar as janelas e tomar outro banho assim que se levantar pela manhã. Dias de perder a fome, de sentir fadiga, de ir ao clube, píscina, usar boné, chapéu, sombrinha, de virar jarros d´água, tomar refrigerante, caldo de cana, água de coco, suco natural ou cerveja. Dias de tomar banho de mangueira no quintal, de regar as plantas em abundância, dar banho no cachorro da família, lavar o tapete, o carro, chupar picolé de frutas, andar descalço e deitar no chão gelado da sala enquanto assite TV. Pobre são dos cães e gatos, que respiram arduamente com a língua de fora, dentro daquela armadura natural de pêlos.
Dias seco e sem chuva, e quando chove a gente sai de encontro a ela, feito Fred Asteur. Época em que os pernilongos atacam em massa, sugando nosso sangue aquecido pelos dias quentes.
Dias que bruscamente muda a temperatura, sem aquela escala de vai de grau em grau pro corpo acostumar-se, já que até então o tempo oscilava entre o calor e o frio.
São dias de calor intenso em plena primavera, aonde o sol lambe seu rosto e aonde é comum ver senhoras sentadas nas varandas, falando de novela, sentadas naquelas cadeiras artesanais de cordinha e ouvir das pessoas enquanto você espera o ônibus da linha Mini Distrito - Cristo Rei dizer: "Mas tá calor hein amigo!"
Eu tinha um amigo professor de Química, que me repreendia toda vez que eu dizia; "Tá calor hein", me dizendo que o calor é a nomenclatura atribuída à energia térmica sendo transferida de um sistema a outro, exclusivamente em virtude da diferença de temperaturas entre eles e que o correto seria dizer: "Esta quente, insuportável", porém o calor existe até nos polo sul e norte.
Calor eu passei quando dormi na casa de Mimí certa vez. É que ela tem um ventilador antigo que você põe na tomada, liga na velocidade 3 e tem que esperar esquentar pra poder ligar, e assim que ele cheirar queimado, você gira as hélices dele com a mão, e ele funcionará até parar denovo e você voltar a girar as hélices, nem os Flinstones usufruia de uma tecnologia dessa, mas era o que nos refrescava enquanto dormíamos.
Moro desde que nascí em São José do Rio Preto-SP, considerada a capital do calor no interior Paulista e noto o quanto as pessoas que vem de fora sofrem com a temperatura da cidade.
São dias em que o sol cospe fogo com raiva e sem dó, de raspar a cabeça, a barba, de se lambuzar de filtro solar, de se bronzear sem querer, de mudar o tom da pele.
Já percebeu que os dias parecem ficar mais longos nos dias de calor intenso, são como se fossem eternos, e você faz a contagem regressiva pra chegar o fim do dia e tomar aquele banho, calçar o chinelo de dedo e deitar no sofá da sala de casa e sem camisa.
São dias de calor eterno

terça-feira, 4 de outubro de 2011

É o rock matando o rock

O Rock n Roll surgiu nos subúrbios dos Estados Unidos no final entre os anos 40 e 50 e rapidamente se espalhou para o resto do mundo. No começo o novo subgênero do rock, sofreu várias críticas negativas e algumas positivas, mas sempre atrapalhando seus trabalhos. Muitos diziam que o novo rock, incentivava o satanismo.  
"Todas estas influências combinadas em uma simples estrutura musical baseada no blues que era"rápida,dançável e pegajosa" 

E assim, resumidamente, definiram o rock que surgiu com Elvis Presley, Chuck Berris e outros. O rock sempre foi um motivo a se discutir, que vai desde a definição de estilo de tal cantor ou banda, ideologia, estilo de se vestir, à questionar se o indivíduo que toca se dizendo que é rock, é verdadeiro ou não, de pessoas que observam de fora sem entender o gênero, ou de pessoas que pertence a ideologia musical. Sempre foi assim e sempre será.
E nesse periodo de lá pra cá, outras influências foram agregadas ao rock, dando a ele novos estilos, novas tribos e novas maneiras de pensar, ramificando-o com novos nomes, sem deixar de ser rock. Mas muitos, aqueles mais conservadores do gênero, não dão o braço a torcer e prefere pertencer ao rock antigo, como se tivesse congelado no tempo, afirmando que o rock n roll morreu ou adoeceu, como diz meu amigo Hugo Pezatti. Morreu ou colocaram uma pedra em cima? Fazendo que o memso não se desenvolvesse, decretando que o rock só é rock até tal período, e o que vier depois não será considerado.
Sei que as mídias televisivas tem lançado bandas novas sem propósito e sem atitude, que prezam mas pela aparência do que pela musicalidade, mas ninguém pode resumir dizendo que tudo que é novo é igual a essas bandas. Isso é matar o rock, e o rock só morre porque o próprio roqueiro mata, extermina, pisa sem dó em seu corpo estendido no chão dos tempos modernos.
Certa vez parabenizei num post de uma adolescente na rede social, o sucesso de uma banda toda colorida e longe da imagem tradicional do estilo. Apesar de não gostar, sei que o sucesso da banda é oriúnda de muito esforço e da ajuda dos fãs, que ao ouvir e gostar, lançaram-os no mercado, compartilhando links com músicas e vídeos da banda na internet, chamando a atenção de produtores e da indústria fonográfica. O mais curioso, é que muitos que afirmam que o rock morreu e que tudo que é novo não presta, ainda tocam e lutam por um lugar ao sol, ou seja, se daqui a 10 anos a banda deste estoura no mercado musical, será uma banda nova, mesmo tendo influências de bandas antigas. Então no caso, será que podemos afirmar que a banda desse cidadão não é boa por ser nova?
Sabemos que ainda tem muita banda interessante tocando no circuito independente, com ótimas propostas de musica e letra, que investem firme em gravações e divulgações, mas muitos nadam e morrem na maré com o tempo, se vendo vencido pelo cansaço e o sucesso não alcançado; é triste ver aquele seu amigo guitarrista, ótimo guitarrista por sinal, trabalhando no balcão de uma pastelaria ou entregando marmitex, dizendo: "Desisti da música amigo". Não desfavorecendo essas profissões, mas é um desperdício de talento. 
Mas enfim, se todos que criticam as bandas novas sem propósito do mercado atual, juntar e fazer com que as bandas independentes de qualidade apareçam, através de exibições nos sites de vídeo e áudio, não iremos mais ver fósseis de músicos na areia da praia.
Basta tirar a faca que mata aos poucos o bom e velho rock n roll

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Pequenos grandes homens

Foi por acaso, enquanto Branca de Neve fugia de um caçador, contratado pela Rainha má, que invejava sua beleza, que a moça, refugiou numa pequena casa na floresta. A casa mesmo cheia de 7 anões, cada um com uma personalidade, distinta uma da outra, mas unidos, pra surpresa da moça, abrigou-a com segurança, em troca de manter a casa que a abrigou limpa. A moça aceitou.
Á partir dalí em diante, não só a moça como o mundo todo aceitou a existência dos anões sem preconceito, que antes tinham complexos de inferioridade e por isso, enfrentavam problemas em estabelecer relacionamentos amorosos, mas atualmente, tem conquistado lugares de sucesso não só nas histórias infantis, como também em empregos, faculdades, esportes e na arte em geral.
Nanismo
é a condição de tamanho de um indivíduo, cuja altura é muito menor que a média de todos os sujeitos que pertencem à mesma população. Admite-se que se pode chamar de nanismo quando o tamanho de um indivíduo tem uma estatura até 20% inferior à média dos mesmos indivíduos de sua espécie, à mesma idade. Na espécie humana, em termos de adultos, considera-se anão o homem que mede menos de 1,45 metro, e anã, a mulher com altura inferior a 1,40 metro. Mas eles são bem maiores do que isso, cheio de talentos e despontando nos programa de TV brasileira, a ponto de nos fazer passar despercebido a sua condição física de anão. Por exemplo, nos programas de humor como o "Pânico na TV" (Rede TV), "Legendários" (Record) e o programa de auditório, "O melhor do Brasil" (Record), tem em seus elencos anões, sem vergonha da sua pequena altura, que roubam a cena toda vez que aparece. Fora o cantor Nelson Ned que despertou corações na década de 70, embalando canções românticas, os atores americanos Verne Troyer, protagonista do filme "Austin Power e o Homem do Membro de Ouro", Tony Cox que atuou em "Papai Noel às Avessas" e outros. Até na indústria pornô, tem anões e anãs no elenco, pra quem tem fetiche por filmes com esse tipo de atores.
Curioso é uma cidade do interior de Sergipe e a 120km de distância da Capital Aracaju, de nome  Itabaianinha, com cerca de um pouco mais de 32 mil habitantes e tem um anão pra cada 300 habitantes.  Descoberta, virou tema de um documentário chamado "Terra de Gigantes", da jornalista Ana Paula Teixeira, que mostra alguns personagens anões da cidade, com seus talentos, histórias de vida e muitos sonhos. Tem até um time do Belém - PA, chamado "Gigantes do Norte", formado apenas por anões, que disputam campeonatos, disputando com outros times também de anões do Brasil.
 Esses pequeninos e pequeninas, me fez sem querer perceber a invasão destes de uns tempo pra cá, na arte em geral do mundo todo, unindo pessoas pelo talento, independente da diferença de tamanho, quebrando preconceitos social e de quem tem essa condição, dando o ponta-pé inicial, de uma personalidade que se eternizará diante de nossos olhos. Quem sabe alguém crie uma agência de caça-talentos, voltado para artistas anões.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Qualquer um pode ser anjo

Talento pode significar uma vocação ou um dom para alguma atividade ; assim, afirma-se que tal pessoa tem talento para a música, ou pro cinema, ou talento culinário, ou talento para lidar com crianças, ou pra lidar com idosos, talento pra falar em público, talento pra interpretar, pra pintar, desenhar, vender, construir, pra dropar em ondas imensas, no Hawaí ou descobrir paisagens naturais jamais vistas, do nosso país.
Talvez o meu Dom seja esse de fazer você ler as crônicas que escrevo mas tem gente que tem o curioso Dom de ser anjo.
Anjo nada mais é do que uma criatura celestial, acreditada como sendo superior aos homens, que serve como ajudante ou mensageiro de Deus, segundo a tradição judaico-cristã; mas naquela tarde de quarta-feira o mensageiro enviado por não sei quem foi uma velhinha que sentara ao banco de um ponto de ônibus próximo a um grande hospital público numa movimentada avenida do centro da cidade, que após me ver atravessar a rua diante de carros velozes que quase me atropelara me disse: "Perca um minuto da sua vida mas não perca a vida em um minuto".
Mal agradeci a velha e continuei o meu trajeto remoendo no meu cérebro a aquela frase.
Na iconografia comum, os anjos geralmente têm asas de pássaro e uma auréla. São donos de uma beleza delicada e de um forte brilho, e por vezes são representados como uma criança, por terem inocência e virtude. Mas aquela era uma anja velha, feia, cheia de rugas, com os cabelos grizalhos, um vestido florido até o tornozelo, com uma faixa de gase enrolada no mesmo pra disfarçar as feridas, encurvada se apoiando em uma bengala, sem asas, sem brilho e longe de ser uma criança, mas que foi o meu anjo do dia.
Nisso passei a notar esse Dom de ser anjo em várias pessoas; quanto mais velho mais talentoso é o anjo.
Até os monstros sociais que se alimentam da ganância, de bens materiais, da inveja e outros também tem o seu momento angelical.
Toda mãe se torna uma anja natural á partir do momento em que pari seu primeiro filho, é automático, guardíã da vida cujo terá que acompanha-lo até ganhar asas e voar sozinho. Logo nos primeiros passos a mamãe diz: "primeiro aprenda a caminhar pra depois correr", e quando cresce e entra naquela fase que na qual deixa a adolescencia pra virar adulto, a mesma mãe guardiã ja adaptada aos fatos atuais, aconselha-o como sempre tem aconselhado:"Use sempre camisinha, não use drogas, olhe bem com quem tu andas". É como se encostassemos o ouvido no peito dela e escutasse essas frases todas vindo la de dentro.
Certa vez, diante de uma moça que chorava a soma de tragédias passadas de sua vidas, fora a dor da solidão e algumas doenças que lhe aflige, me aproximei e disse: "vire a página e escreva você mesmo o final feliz do seu livro vital". Poxa, saiu sem querer, quando vi já tinha falado, não sei se ela entendeu, não sei se soou bonito, só sei que saiu como um disparo acidental do coração e era o máximo que eu podia fazer até então, embora eu não sou médico, nem psicólogo, nem nada.
Ela me sorriu e disse retribuindo  com um beijo no meu rosto:"você é um anjo". A príncipio encarei como um elogio, uma vez que ela era bonita e doce, mas depois pensei: " No caso, hoje o anjo sou eu", ria comigo mesmo e os pensamentos prosseguiram: "Qualquer um pode ser anjo". Tanto pobre quanto rico, gordo, feio, velho, jovem, vistoso, mal trapilho ou bem vestido, embriagado ou sóbrio, perambulando pelas ruas ou no sofá deitado assistindo Tv, na feira, na escola, no trabalho, na fila do banco, na praça, ou seja, todo mundo é anjo de alguém, é um dom natural até dos demônios.

Texto escrito no dia 25 de Dezembro de 2010 e reeditado dia 13/11/11

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

O invasor

O invasor surgiu quando nos acordava de madrugada andando pelo telhado, aparentando ser um garoto pesado de alturas medianas, um leviano de bermuda e boné, um gatuno que invade as casas na calada da noite preta, e dorme entre o telhado velho de cerâmica e o forro de sarrafo.
Pula do alto do telhado em parafuso até cair em pé no chão, rouba a carne à temperar da pia e sai correndo de volta, levando cintadas no lombo pra cima do telhado e, sem temer, espreita por várias vezes, pra descer denovo e roubar a mistura da família, cujo teve a casa invadida. Ele nos olha de cima, como se dissesse "o telhado é meu, nãoa dianta... Hahahahahaha!!!".
Com o tempo ele perdeu o medo, enfrentando o crime de frente, sem medo de levar outras cintadas na região lombar, rasteiro, entre as pernas cansadas de quem varre os pelos que cai do seu corpo, pra cometer mais um furto e dessa vez correr pro quintal mesmo, pra depois deitar de barriga cheia e nos olhar, se lambendo, como se dissesse: "o quintal também é meu". Oras bolas, aquela criatura sapeca nos vencia aos poucos pelo cansaço, enquanto bolavamos um plano para pega-lo e despejá-lo, entregando-o pra alguma organização que cuide do caso em especial, sem machucá-lo.
O meliante se tornou de presença comum, como as árvores do quintal, como os carros que transitam na rua diante do portão fechado, tanto que ao ouvir seus passos pesados no telhado, a dona da casa gritava e pedia pra esperar passar o almoço, pra jogar lá em cima o que sobrava, e o gatuno obedecia. Ás vezes descia e esperava na porta do lado de fora, e depois que comia deitava esparramado no chão frio, com olhar de preguiça que dizia: "A sala também é minha, tá tudo dominado".
Certa vez, depois de muito tempo, o homem que a perseguia com um cinto em punho, levantou uma bandeira branca enrolada num cabo de vassoura e pediu  paz, e a mulher que varria cansado os pelos que caiam do corpo do infrator disse: "O invasor é fêmea, e vamos chama-la de Nina" .
O invasor dominou territórios e conquistou todo mundo.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

No lugar do bicho ninguém quer ficar


Olá pessoal, quero agradecer desde já os mais de 13 mil acessos do blog, a todos que leem, visita e até comentam. Mas venho aqui pra falar de um assunto que já falei certa vez, mas que voltou à tona devido a um fato ocorrido no ultimo rodeio de Barretos. Eu, Vagner Zaffani, protetor assumido da vida e dos animais e de cara limpa, manifestei contra o evento nas redes sociais, e esse manifesto virou discussão com quem defende o esporte.
Os defensores dos rodeios vieram argumentar que, os animais não são mau tratados, muito pelo ao contrário, uma vez que eles comem rações especiais, fazem exercícios físicos em piscinas, academias, massagens e etc, afirmando que muitos seres humanos não tem a mesma vida que eles e sendo assim desejam ter.
é ai que eu me indignei, e dei "linha a pipa" na discussão, pois pense bem:

__Primeiro, desde quando um touro ou um cavalo quer ir à piscina, ir à academia, receber massagens? Isso é atividade de boi ou atividade de ser humano? O que o animal quer ter é liberdade, um pasto verde, pois academia é lugar de gente e não de animal, porém foge da natureza desses.

__ Segundo: acredito piamente que eles são bem tratados nas fazendas que habitam, comendo ração especial, recebendo massagens e tal, mas que adianta receber todos esses mimos, pra depois ser solto numa arena, aonde antes, num brete, recebem choque, pauladas, amarram a virilha com o sédem, próximos a falantes altíssimos (com música sertaneja ainda por cima) sendo aguçado pra saltar, com um indivíduo em cima dando esporadas?

__ Terceiro: é como se um individuo, que fosse casado, desse jóias, carro, dinheiro, sapatos, perfumes a sua esposa, e depois lhe batesse com pau, choque, amarrando-as tetas e etc. Morde e Assopra (você entedeu não é!?) é outra novela, muito boa por sinal, ao contrário dos rodeios.

__ Quarto: Curioso é quando os defensores da prática nos vira e diz: "Vocês, precisam ir numa fazenda e ver comos os animais são bem tratados", é como eu lhe disse, não duvido que sejam bem tratados, mas a gente não precisa ir numa fazenda, basta assistir ao vivo e a cores o evento, ou ver na internet ou tv, em rede nacional e em horário nobre, num fantástico qualquer da vida, um touro pulando em círculos com o xucro do peão dando esporadas. Afinal, você já viu um touro, no seu habitat naural pulando que nem louco em círculos? Acho que não, então alguma coisa deve acontecer praque eles ajam asim.

__ Quinto: Basta você digitar no youtube, "maus tratos de animais em rodeios", que você se disponibilizará de centenas de vídeos com flagrantes, de funcioarios dos rodeios mau tratando o bicho (que não é montagem), em distintos eventos um do outro. Inclusive os rodeios de Tarumã-SP e Assis-SP.

___ Sexto: Ai eles batem no peito e dizem: "Tem gente que não tem o tratamento que o boi tem". Graças a deus não é!? Afinal, quem quer ter o saco amarrado, levar choque, pauladas, ser solto na arena, ter os pés laçados ou ser derrubado a força em troca de uma exibição de um cowboy xucro e etc? Se isso não é mau trato é o que? carinho? você deseja receber ese tipo de carinho algum dia?

__ Sétimo: Que legal que o rodeio de Barretos rendeu 5 milhões de reais que foram doados ao hospital do câncer da mesma cidade, parabéns pela iniciativa, mas acho que se os mesmos organizadores do evento fizessem shows de duplas sertanejas(que é o estilo de música que esse público gosta) arrecadariam o mesmo valor, pois sei que muitos que vão ao rodeio, vão pela paquera, pela pegação, pela bebedeira, pelos shows, pra exercer sua identidade de cowboy, vestindo seus trajes típicos e não pelo esporte.

___ Oitavo: Já que gostam tanto do esporte (se é que podemos chamar de esporte) porque não colocam um touro mecânico no lugar do bicho, ou senão os peões se revezarem e fazerem o lugar do touro, afinal, no lugar de quem apanha ninguém quer ficar. Ou será que esquecem que debaixo de suas calças agarradas tem um ser com vida?

__ Nono: O defensor do rodeio, nos virou e disse: "Na hora de comer seu cachorro quente, você não tem dó do animal porquê?", daí eu respondo, matar pra comer e sobreviver é uma coisa, judiar pra ser um instrumento de prazer sádico é outra. Nem no meio ambiente os animais matam por matar, eles matam pra se defender, pra proteger seu território, em lutas na conquista de uma fêmea e até pra comer, agem por instinto irracional, tanto, que se você passar perto de uma sucurí, que acabará de comer uma capivara, ele não irá lhe atacar, pois já esta satisfeita, ao contrário do homem, que judia de outro ser, só por ser de outra espécie, ser irracional e provar sua soberania e força diante do outro. Apesar que existe tantas hortaliças, legumes e frutas, que um ser humano pode muito bem sobreviver sem carne

__ Décimo: O defensor, comparou o choque que eles (touros e cavalos) levam no brete antes de ir pra arena, com o choque daquelas canetas de brinquedo, emitido no dedo ao apertar o pino, que faz a ponta da mesma aparecer pra escrever, eu não acredito, mas suponhamos que o choque fosse igual mesmo, e você sentado na carteira da faculdade prestando atenção no professor, e um amigo sentado atrás de você, lhe cutucasse a aula toda lhe dando choque com essa tal caneta. Irrita não é? E será que também não irrita o boi? Independente da intensidade do choque que no mínimo deve ser autíssima.

 __ Décimo primeiro: O rodeio de barretos já existe a 50 anos e traz admirador do Brasil todo, mas perguntaram o porque que nesses 50 anos, ninguém nunca a derrubou, uma vez que o mau trato foi flagrado e divulgado em vários tipos de mídia fora aqueles presenciam ao vivo. In felizmente, no Brasil o que vale é o dinheiro e não o amor ao próximo, e é esse dinheiro que faz o evento ter essa vida longa, mas nem por isso devemos abaixar a cabeça e deixar de manifestar contra esse ato de maldade.

__ Décimo segundo: Atribuem o que aconteceu com o bezerro e o peão da prova Bulldog, César Brosco (ou César Tosco) em Barretos, como um acidente. Pois daí eu penso, se o acidente fosse com moto ou carro, o máximo que poderia acontecer com o veículo, seria sua perda total, mas no caso da prova, o acidente custou uma vida. Se é um acidente, porque não evitam, execrando a prova sendo ela perigosa? Se é o peão que sofre o acidente, mas se submete a isso, é problema dele, mas o pobre do bezerro que não tem nada a ver com isso, irá se submeter a morte sempre e contra a vontade dele?
__Décimo terceiro: O próprio Marcus Murta, Presidente organizador do rodeio de Barretos, disse que o sédem e o choque é feito pra irritaro touro.

___ Décimo quarto: Nós, que somos contra rodeios, animais em circos e todo tipo de mau trato, não somos apenas ambientalistas e sim defensores da vida(touro,cavalo e etc são vidas), principalmente dessas que não tem forças pra se manifestar a favor de sí mesmo, como crianças, idosos, animais e etc.

Agora você, que ainda quer discutir e defender, leia esse texto, pois argumento contra você tem de monte, e se ainda insistir na idéia, provará que não tem coração e muito menos se põe no lugar de outros, mesmo sendo de outra espécie. Ou será que os milhões de reais que um rodeio arrecada, tem mais valor que a vida?

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

O Pesca - níqueis

Eu ainda ria da orelha inchada do Zé Domingues, que topou num cacho de abelha marimbondo, no galho de uma árvore, quando eu vi de um lado de uma pinguelha velha de madeira, andarilhos que dormiam sob um sol á pino, debaixo de uma coberta fina, encardida, felpuda e, do outro lado, um senhor de chapéu de palha, franzino, dos braços finos e com o rosto marcado pelo tempo, pescando no lago de águas turvas, que passava por debaixo daquela pinguela. Eu e meu amigo Zé, apoiamos o braço no corrimão da pinguela e ficamos observando o senhor que pescava atentamente aos puxões da vara. Quando de repente ele  rapidamente puxa a vara com força, dando solavancos, e levanta pendurado na linha garfos e parafusos enferrujados. Notei que na ponta da linha havia um imã, que emergia do fundo do rio, pedaços de metais que o mesmo atraia.Ora o pescador trazia latas de produtos alimentício, oras chaves perdidas de casas e até armações de óculos, mas, Zé, curioso como era, perguntou: "Mas o que você pesca com essa vara com imã?", e ele na sua simplicidade respondeu: "Eu pesco níqueis meus amigos, quem dará emprego a um velho de 70 anos", que em seguida nos surpreendeu tirando do fundo do lago, moedas, que nos exibia sorrindo, limpava e guardava-as no bolso da camisa. Era um homem aposentado, que vivia numa casa de aluguel com sua esposa adoentada, e procurava moedas de baixo valor, perdidas, no fundo de um lago sujo, pra ajudar nas despesas do lar. Pra ele, era um tanto lucrativo pescar moedas, uma vez que tinha muitas delas jogadas e nimguém se importava em resgata-las.
Dias depois, eu e o Zé Domingues, resolvemos voltar, pra assistir do alto da pinguela velha, o bravo pescador de moedas oxidadas pela água, mas, quando fomos, não a encontramos. Perguntamos a um andarilho, desses que dormia enrolado na coberta fina, e ele nos respondeu que ele tinha sido preso.
__ Preso!__ Perguntei surpreso.
__ Sim_ Respondeu o andarilho__ Ele foi pegou em flagrante pela polícia, quando pescou do fundo do rio, um revólver calibre 38.
Ou seja, será detido no artigo 14, por porte ilegal de arma de fogo, com pena de reclusão de 2 a 4 anos e multa.
No mínimo a arma foi dispensada por algum criminoso e estava a procura da polícia, e infelizmente caiu nas mãos de quem lutava pra sobreviver honestamente, num país ingrato.

Aposentado, pobre e preso. Triste fim do pesca-níqueis

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Psicovirtuality

"Os meninos tem um instinto natural de seduzir e depois não se apegar, como se fosse um alimento para o próprio ego masculino e o machismo, como se fosse também uma guerra fria de menino pra menino, disputando territórios demarcando-os com meninas já 'usadas e abusadas' pelo caminho e pelo mesmo, mas não são todos, é a fase que eles passam até a maturidade e encontrar sua cara metade, mas nessa brincadeira de 'seduzir e não se apegar' , eles podem sem querer deixar passar um grande amor, inclusive você." 

Essa foi a melhor resposta que Telma pode dar a uma amiga virtual de 17 anos, frustada por querer namorar e não conseguir dar sequência ao "ficar" com os meninos da mesma idade, que a retribuiu dizendo: "Obrigado Doutora". Telma agradeceu e completou dizendo: "Pense apenas em estudar por enquanto e depois namorar, se eles não te querem e porque não te merece".
Telma não tinha nada de doutora, apenas era uma moça simples, com seus 25 anos de idade, que apenas terminou o ensino médio, mas não se formou em faculdade alguma, com os cabelo engraçado, óculos de armação colorida, aparelho nos dentes, cicatrizes de espinha num rosto oval, sofrido e uma beleza sem graça, sem atrativo, sem amigos a não ser o próprio PC, mal saía de casa e quando saia era do trabalho pro lar e do lar pro trabalho, vestindo preto, batom vermelho, sapato bico fino vermelhos também, que se escondia atrás de um pseudonimo: PSICOVIRTUALITY (nomes típicos de quem usa internet) e uma foto de uma lua cheia luminosa. Ela trabalhava nos comandos de uma caixa registradora de um supermercado, tinha no máximo um certificado de computação básica e, matava seu tempo navegando nas páginas de redes sociais e programas de bate-papo. Muitas vezes, sem querer, ela enviava a resposta de um amigo para outro, confusa com tanta gente que vinha a lhe perguntar sobre duvidas pessoais, sexuais, amorosas, dicas de vestibular, que roupa usar e etc... Amigos e até pessoas que ela nunca viu na vida.
Telma pensava, coçava a cabeça, o queixo e respondia com que lhe dava 'na telha', enquanto teclava e ouvia as canções do Toy e Dolls; se estava certa ou errada nem ela sabia, só tentava ajudar na medida que ela podia: 'Se não posso dar dinheiro ou curar a dor, posso dar um ombro amigo, que é de graça e não dói". E esse era o lema da moça.
Drica a perguntava até quando ela deveria esconder a gravidez dos pais, Júlio questionava o que fazer com a filha adolescente grávida, Paula queria deixar de roer unhas e Vinícius chorava sem dizer nada.
Telma dizia: "Calma, calma...." E prosseguia aconselhando-os com suas sábias dicas de como viver em paz e resolver as dificuldades com paciência.
Certa vez, um garoto lhe chamou atenção, cumprimentou-a dizendo oi e seguiu-se em silêncio, no mínimo,  esse garoto devia estar ocupado lendo e-mails, scraps, teclando com outros amigos ou até sem assunto. Telma estranhou e o retribuiu chamando atenção também,  perguntando depois, se ele não tinha nenhuma dúvida, mágoa, rancor, dificuldade, depressão e etc. Ele respondeu e disse: "Não, estou em paz, graças a Deus".
"Que bom", pensou ela, "já que ele esta bem..."
O que era raro, uma vez que as pessoas só a procuravam pra pedir ajuda. Mas Telma insistiu em conversar com o garoto e perguntou:

"Já que você esta bem, me explique como faço pra me libertar dessas 24 horas on-line"

Pois é meus amigos, um Doutor ás vezes necessito de outro Doutor também.


quarta-feira, 17 de agosto de 2011

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Celular de funkeiro

Lá vai eles, migrando em bandos de uma ponta a outra, da zona norte a zona sul, uns vão a pé, outros vão de bicicleta barra forte, adaptada nas garupas com o que eles chamam de "churrasqueiras", que servem pra soltar faísca, quando tocam ao chão ao empinar a mesma, ou CDs usados entre os raios das rodas, carregando um amigo na barra ou sozinho, subindo as ladeiras da Philadelpho Gouvea Netto, ou cortando as ruas da Boa Vista, até chegar aonde desejam, invadindo shoppings ou a Represa Municipal no domingo a noite. Trajam réplicas de marcas esportivas de bonés dri-fit, com as abas retas, cobrindo cabeças raspadas na máquina 1, com enfeites de "risquinhos" na lateral do "coco", de máquina zero, reluzindo grossas correntes prateadas, camisetas compridas, cujo o tamanho é maior do que as que lhe servem realmente. Esses chamados por alguns de "manos". Já as meninas os acompanham, todas maquiadas, perfumadas, com a barrigas de fora da mini-blusa, exibindo um pierce de correntinha no umbigo e shorts e mini-saias agarradas, curtos e sujeitas a brigar contigo, caso você as chamem de "piriguetes", aí o "bicho-pega" e revidam te chamando de "recalcada", se for mulher, ou "zé povinho", se for homem, sendo assim as musas dos olhos destes que tem como o ritmo preferido o funk, o pagode, o rap e etc.
"Manos" e "piriguetes", tem a faixa de 14 a 18 anos, alguns não estudam, bebem, fumam e a maioria reside nas periferias das grandes cidades.
É comum ver um destes, arriscando a vida, pendurado do lado de fora nas portas dos ônibus coletivos, causando espanto nos passageiros que não querem chegar em casa, além de cansados, com cenas de um acidente trágico na memória. Mas espanto maior é quando eles estão dentro do 'busão', sentado ao fundo, em turma, fazendo algazarra, marcando o território deixando o nome do "bonde" de canetão ou corretivo, no encosto do banco, falando palavrões de baixo calão em voz alta, sem respeitar idosos e crianças, portando em mãos um celular. Aquele celular me da medo, todo moderno, com mp3, mp4, mp5, câmera de filmagens de alta resolução, rádio, TV, internet, caixas de som com o volume no 'talo', coador de café, ventilador, morfador, relogio ben 10 e um playlist musical (se é que podemos chamar de música) com centenas de canções de conteúdos pornográficos. Talvez por rebeldia, talvez por atitude, ou talvez por auto-afirmação no grupo, com direito a aparição e ser mais legal entre eles, só sei que é bastante desagradável a baderna deles, no espaço democrático de um passageiro no ônibus coletivo. 
O celular de funkeiro tem de tudo, menos fone de ouvido.
Ônibus, metrô, terminal ferroviário, rodoviârio, saguão de espera de postinho de saúde, pátio de escola na hora do intervalo e outros, não é baile funk. Vamos ter consciência, pois não são todos que compartilham desse mesmo mau gosto.

sábado, 13 de agosto de 2011

As redes sociais e a liberdade de expressão

 "Uma menina de 15 anos tem um filho de um ano nos braços. As pessoas a chamam de vagabunda, mas não sabem que ela foi estuprada aos 13. As pessoas chamam um outro de gordo, mas ninguém sabe que ele tem uma doença grave que causa sobrepeso. As pessoas chamam um velho de feio, mas ninguém sabe que quando houve uma guerra ele lutou pelo nosso país. Publique isto se vc é contra ao Bullying ou preconceito. Aposto que 95% não o fará."
Nisso, participantes da rede social, que leêm e compartilham da mesma idéia,  copiam e colam a mensagem para divulgar a mesma campanha em seu mural pessoal. O interessante é o quanto um ato desse tipo, contradiz à aqueles que costumam dizer que: "Essas redes sociais além de ser moda, não serve pra nada". Eu já discordo, é só saber usar, sem expor totalmente a vida pessoal.
Entre o Twitter, o Orkut, Tagged, o Badoo, e outros, o facebook tem sido o mais interessante, além de estar em alta com a média 750 milhões de usuários. Criado em 2004, por 4 estudantes da Universidade de Harvard, incialmente tinha a adesão restrita apenas aos estudantes da universidade, que foi expandindo para outros estudantes, para outras universidades e hoje qualquer um pode se ingressar, compartilhando também   fotos, vídeos de humor ou que demonstra a indignação social, músicas de artistas anônimos ou que o usuário se identifica, convites para eventos, jogos e idéias em frases manifestando seus desejos, pra outros usuário compartilhar de um para o outro e transformar a idéia naquilo que eu chamo de liberdade de expressão.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Velozes e perigos

O  GTA (Grand Theft Auto) é um misto de ação, corrida e muita aventura, cujo tudo isso acontece em terceira pessoa, com uma visão por trás do personagem e uma narrativa característica da série, sarcástica e sombria. O primeiro jogo da série foi lançado em 1997 por David Jones para PCs e Playstation, tendo o game, uma vista áerea e grande permissão do jogador fazer o que bem entender, que vai desde roubar qualquer carro da cidade virtual a correr em alta velocidade pelas ruas, passando por cima de obstáculos e transeuntes. É  inversão dos papéis, saindo do gosto comum de qualquer criança de ser herói, salvar vidas, defender uma causa ou servir de exemplo para outras pessoas, pra ser um vilão infrator e cheio de maldades, por puro prazer e sadismo.
Mas tem muita gente incorporando o personagem do polêmico jogo e praticando as fases na vida real, nas ruas de todo território nacional.
Aconteceu no dia 09/07 no Itaim-Bibi, zona sul da cidade de São Paulo, quando um engenheiro, 36 anos, bateu seu Porsche  a 150 km/h na Tucson da Advogada Carolina Menezes Santos, 28, que não resistiu e morreu no local. O motorista estava embreagado.
Aconteceu também no dia 28/07, na Vila Madalena, também em São Paulo Capital, quando o jovem auxiliar administrativo Vitor Gurman, 28, foi atropelado quando caminhava de volta pra casa na calçada, vindo d eum jantar na casa de um amigo, pela Land Rover, dirigida pela nutricionista Gabriela Guerreiro Pereira, 28 e também sobre o efeito de álcool e forte odor etílico. Vitor foi a óbito depois de 5 dias na UTI.
Fora outros casos, tipo do bancário que atropelou 15 ciclistas que manifestavam em prol de mais usos de bicicleta no trânsito, no lugar de automóveis, e da moça grávida, que morreu atropelada enquanto usava um orelhão na calçada.
Mas casos semelhantes a esse, aconteceu em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Porto Alegre, em Salvador, em Manaus e etc. Aconteceu, acontece e sempre irá acontecer toda vez que um condutor imprudente, brincar de beber, dirigir e correr, disputando rachas estúpidos, sem se por no lugar de outros motoristas, passageiros e pedestres, que dividem o mesmo espaço democrático de transição dele e de todos. A vida não é um GTA, trânsito não é parque de diversões e você não é nennhum Dominic Toretto. Os automóveis são úteis, mas também podem ser perigosos além de velozes.

Dirija com resposabilidade


quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Menino é repreendido por gostar de rock


"Alcançar meios éticos e transparentes para que a nossa missão seja cumprida". Assim estava escrito no site oficial do Colégio Ponto Alfa em São José do Rio Preto-SP. Qual missão que escola quer cumprir não sei, mas a única e polêmica missão que repercurtiu no Brasil todo, foi a da mesma escola, tentar fazer uma lavagem cerebral a um aluno de 8 anos, por gostar de Heavy Metal. A principio o aluno foi encaminhado para a direção do colégio por simular o som de uma bateria, batucando na carteira da sala durante uma aula. Até ai tudo bem, pois sala de aula não é lugar pra tocar tal instrumento, mas a dona Ana Maria Fernandes, atual diretora, foi infeliz em tentar convencer o mesmo aluno a deixar de gostar de Heavy Metal, dizendo que o estilo musical era "música do capeta". Essa senhora no mínimo é mal informada e precisa rever seus conceitos, ou pré-conceitos. Pois o Heavy Metal, é um dos estilos de música mais rico no mundo todo, aonde tem os melhores e mais técnicos músicos (Steve Harris, Dimebag Darrel, Lars Ulrich, Ozzy Osbourne), aonde muitos deles tem o nível intectual acima da média. Por exemplo a Inglaterra, país de primeiro mundo, um alto percentual dos jovens tem como estilo de música preferida, o Heavy Metal e outras vertentes do rock. No Brasil, o gosto popular é o sertanejo, pagode, funk carioca e etc. Aonde claramente, ou em duplo sentido, as letras incitam o sexo sem compromisso, a promiscuidade, o adultério, a ingestão de álcool, o machismo. Será que a música do Capeta é o rock mesmo?
Na frase inicial do texto, que abre a página oficial da escola, cita o termo, "alcançar meios éticos". Ético é o nome geralmente dado ao ramo da filosofia dedicado aos assuntos morais, mas foi uma total falta de ética da diretora ao tentar mudar a personalidade sadia em formação de uma criança. O menino diz que anda sem vontade tocar violão e guitarra após o fato. Torço para que ele volte a tocar e ser um promissor gênio da musica mundial.

Abaixo o link da matéria na integra.

http://noticias.uol.com.br/educacao/2011/08/03/menino-de-8-anos-e-repreendido-por-gostar-de-rock-pesado-e-dura-apenas-um-dia-em-escola-do-interior-de-sp.jhtm

Abaixo, um outro link que demonstra o quanto o rock educa  jovens:

http://noticias.uol.com.br/educacao/2011/08/04/escola-na-inglaterra-monta-coral-com-alunos-cantando-iron-maiden.jhtm

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Mecânico de gente

Mecânico é o profissional cuja a atividade é a reparação de máquinas, motores e outros equipamentos mecânicos. Meu tio tem um de sua confiança, aonde ele leva seu monza hatch 83 dourado, adaptado com jogo de rodas aro 16, passado a álcool, com dados de pelúcia pendurados no retrovisor interno, toda vez que sente algum problema no veículo. Certa vez, ele ouviu um barulho diferente oriundo do motor, levou o carro pra consertar, e dias depois já com o carro de volta e consertado, tornou a ouvir o mesmo barulho. Olha só, o mecânico errou e sem querer trocou a peça errada, pondo outra no lugar. Um profissional ás vezes erra, mesmo atuando no ramo à anos e tendo a confiança de clientes como meu tio e outros.
Mas tem um outro tipo de mecânico que quero ressaltar. É o mecânico de gente, que diagnostica e conserta  problemas físicos, fisiológicos, psicológicos e etc das pessoas. Repara engrenagens(articulações), válvulas, bombas(coração) circulação de óleo(sangue), a ingestão de combústivel(alimentos)
Vi na TV que um indivíduo levou sua vózinha doente a um profissional nesse em uma oficina(hospital) cujo o tratamento é gratuito. O homem olhou, analisou e disse: "Temos que tirar uma peça da vovó que não esta funcionando mais", e essa peça que o mecânico(doutor) se referiu, era a perna esquerda. A vovó e o neto voltaram pra casa felizes crendo que mesmo sem uma peça(perna) da velhinha, a doença e as dores que a incomodava cessariam, tendo ela que se adaptar dali pra frente, a um novo estilo de vida. Mas as dores continuaram e mais tarde, quando voltaram a mesma oficina (hospital), mas dessa vez com outro profissional, descobriram que amputaram a perna errada da vovó.
O mesmo aconteceu com a estudante Luana Neves Ribeiro, 21, que morreu no dia 04/07/2011 depois de passar por um procedimento para doação de medula óssea, a uma criança com leucemia no Rio de Janeiro, no Hospital de Base de São José do Rio Preto-SP. O laudo entregue à polícia civil, atesta que a jovem teve a veia subclávia perfurada, ou seja, morreu em consequência de erros médicos. Mas erros médicos ja deixaram de serem novidades em noticiários televisivos de nosso país, porém os acidentes vão desde esquecer tesouras cirúrgicas dentro de criança, injeção de vaselina líquida na veia, no lugar de soro, em uma garota de 11 anos, passando por deixar encostar bisturí elétrico na pele de paciente, provocando queimaduras e amputação em um bebê. Fora o flagrante recente do Jornal Nacional, exibido no dia 02/08/2011, do descaso do Hospital Regional de Sorocaba, interior de São Paulo aos pacientes.
Mas não é generalizando, pois sabemos que também temos muitos médicos éticos e competentes, que se põe no lugar do paciente, pra exercer um bom trabalho.

Mas...quando é que o estado e alguns profissionais de sáude pública, deixarão de tratar o ser humano como fossem um objeto sem vida? Será que é preciso o filho de um Ministro da saúde passar por tal constrangimento, pra daí começar a pensar em uma reforma na sáude?

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Sortes do acaso

Reencontrar os amigos é muito bom, ainda mais aqueles que a gente não ve faz tempo, desde a adolescência no colégio, regada a sonhos confusos, paixões, festas e a descoberta das dificuldades da vida adulta. Reencontrando meio que por acaso, meio quase se trombando dentro de uma estação rodoviária ou no tumulto de pessoas consumistas, que cruzam o centro comercial, de uma grande cidade em dias de ofertas. Mas aquele dia não foi tão agradável dar de cara com o Milton, pois ele estava triste, cabisbaixo, se queixando de tudo. O legal é reencontrar os amigos do passado felizes, em plena evolução, cheio de novidades e objetivos para a vida.
Ele me contou sobre a morte de um outro amigo incomum, que faleceu após ser atropelado por um carro importado de um playboy (no mínimo estava bêbado tirando racha), que atravessou o farol vermelho e fugiu sem prestar socorros, enquanto conduzia sua moto 150 cilindradas a caminho do trabalho, que mal tivera terminado de pagar as ultimas suadas prestações do financiamento, no trânsito exprimido da principal avenida que corta a cidade de uma ponta a outra.
Mas o mesmo, além de me noticiar com os olhos rasos d´água sobre a morte de nosso amigo incomum, comemorava a sorte de não ter sido acidentado também, de não estar na garupa daquela moto, pois horas antes do acidente, o finado motociclista passou na casa de Milton e gentilmente ofereceu uma carona, e Milton respondeu: "Hoje vou entrar mais tarde no serviço, tenho uma consulta médica pra ir antes". E agradeceu.
Também comemorei um tanto triste e mudei de assnto, mas me perguntei: Se por acaso Milton aceitasse a carona aquele acidente teria acontecido? Pois tudo é uma questão de tempo, que move ás vezes uma fração de segundo, mas que pode mudar toda uma história e até salvar vidas. Ta difícil de entender não é? Mas vou lhe dar um exemplo: Supomos que Milton aceite a carona, mas de dentro de casa ele grita: Sim, aceito, só vou pegar minha mochila e já volto". Entendeu? O tempo que ele gasta pra pegar a mochila, é o tempo que sem querer, atrasa o motociclista de cruzar aquela rua, aonde ocorreu o fatal acidente. Mas como Milton iria saber disso? Não só ele como ninguém poderia prever o fato, a ponto de tentar impedir uma morte com um simples ato involuntário.
O mesmo acontece numa partida de futebol, quando um juiz anula umm gol impedido que não estava impedido. "Se o juiz não tivesse anulado o gol, teriamos ganho esse jogo". Será?
No caso, se o gol tivesse sido aceito pelo juiz, a bola ia começar do meio do campo e não da linha de fundo do time adversário, a história seria outra e de repente o time que fez o gol perderia o jogo.
Mas tem gente que acredita em destino, que se o motoqueiro não tivesse sido acidentado e morto naquele cruzamento, seria ele acidentado em um outro, mas pra frente, pois era a hora dele morrer e cada um tem sua hora__ "Esta escrito"__ Pensa o cristão, e que o resultado da partida do futebol seria aquela mesmo, independente se o juiz anulou o gol ou não, e assim por diante. Cada um tem um modo de pensar, o que é certo ou errado eu não sei, só sei que...


" O acaso vai me proteger, enquanto eu andar distraído..."

terça-feira, 26 de julho de 2011

Campanha versus Consciência

Se é fácil parar de fumar ou não, já não sei responder, pois é relativo, depende muito do esforço de cada um, só sei que desde 2001 a ANVISA tenta convencer os fumantes a tentar largar o vício com imagens repugnantes, que vão de indivíduos com membros necrosados a um frustado homem com disfunção erétil, disputando com as campanhas que a indústria tabagista veicula nas mídias em geral, de gente bonita e se divertindo com um cigarro entre os dedos, brincando com a fumaça, de cowboys boa praça, cavalos de porte correndo ao vento, sadíos. Algumas imagens são forçadas e acabam sendo engraçadas devido ao exagero, mas outras causam pavor e medo apenas de olhar.  Não sei se funciona, pois sei que muita gente ignora a imagem devido a força do vício, eu mesmo, particularmente nem lembrava que tinha uma foto assustadora no verso do meu maço de cigarro, quando fumava, mas outros  preferem não ver.
O segundo lote de fotografias foi lançado em 2003 e o último em 2009, e a cada lote com imagens mais pesadas do que as anteriores, afim e fazer funcionar pra valer a campanha anti-tabaco.
Mas já pensou se a moda pega, e o Instituto Nacional de vigilância sanitária tentasse chocar o consumidor, com imagens relacionadas com o mal que cada produto provoca. Pois daí teriamos imagens de pessoas obesas no verso das embalagens de chips, pessoas acidentadas ou com barrigas inchadas de cirrose no rótulo da garrafa de cerveja, de pessoas sofrendo um ataque cardíaco nas letras coloridas de um saco de sal e daí por diante. Mas fica a pergunta: Será que tudo isso seria válido, mesmo sabendo que todos sabem o que cada produtor a consumir provoca? Ou será que o que previne danos a saúde de cada um é a própria consciência? Será que teremos a imagem de um jovem alienado, na capa do Cd do Luan Santana daqui uns tempos?
O que vale é a liberdade escolha. Beber, fumar, consumir calorias e até mesmo ouvir Luan Santana (fazer o que?). Cada um faz o que bem entender da vida, desde que não prejudique o próximo.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Fãs aplaudem a sua morte

Conhecida desde a década de 70, principalmente por seus mercados de rua alternativos, Camden Town recebe um grande número de turistas diariamente, mas o movimento se intensifica nos fins de semana. Os curiosos visitam este pedacinho underground de um dos países mais aristocráticos do mundo à procura de gente interessante, boa música, culinária de rua, boas compras e muita diversão. A distância entre este bairro de subúrbio e o centro de Londres, é de oito estações de metrô, mas tanta discrepância local faz o lugarejo parecer um outro país.
A noite norturna também é bastante agitada, com pubs e boates que atendem a todo tipo de público: góticos, roqueiros, punks, amantes do jazz, soul, blues e pop convivem pacificamente (quem me dera morar lá), cada um com seu espaço.
Mas esse movimento ganhou intensidade depois do anúncio da morte quase anunciada da mais ilustre moradora do bairro: Amy Whinehouse, no dia 23 de Julho de 2011.
Digo intensa, pois centenas de fãs e vizinhos da casa (mansão) número 30, prestaram homenagens a cantora depositando em frente de sua casa, flores, cartões, bebidas, cigarros, além de um pôster e um violão.
É sempre muito bonito ver o quanto um artista era importante para um certo público, a ponto destes homenageá-los e relembrá-los sempre mesmo depois de morto, só que o mais curioso é quando essa homenagem traz símbolos da morte do próprio artista. Por exemplo: no caso da Amy Whinehouse, depositaram bebidas e cigarros (só faltou cocaína, ecstase) além das flores e velas acesas para a sua alma. É como se deixassemos balas de revólver em frente da casa de um indivíduo que foi brutalmente morto a tiros, ou juntassemos em um grupo e corressemos a 140km por hora, em frente de alguém morto num acidente de trânsito.
A relatos de que fãs em um show da mesma, aplaudiam toda vez que ela virava um copo de bebida alcoólica, era como se comemorasse o fim, um reality show em massa, ao vivo, diante de câmeras ligadas e flashs, de telespectadores assaciados de prazer mórbido, assistindo cada passo da morte de sua ídola, se identificando também com um copo na mão.
Mas seu talento supria qualquer lado negativo de sua carreira, deixando boas lembranças aos fãs de bom senso: "Descanse em paz Amy Whinehouse".

terça-feira, 5 de julho de 2011

União de artistas expõe obras nos correios



Essa é a matéria que saiu no dia 05/07/11 no caderno Viva do Jornal Bom Dia de São José do Rio Preto, cujo trata a união de 3 artistas: Aline Brambati, Vagner Zaffani e Viviani Zaffani, expondo artesanatos em jornais, poesias contemporâneas e fotografias, vale a pena conferir.

http://www.bomdiarede.com.br/noticias/viva/59224/mototaxista+organiza+exposicao+na+2%26ordf%3b+confraternizacao+dos+artistas+rio-pretenses

Quem quiser ler as poesias de Vagner Zaffani acessem o blog:
www.umtalpoeta.blogspot.com


Em destaque: Aline Brambati

 "O fim do mundo"
Fotografia de Viviani Zaffani

sábado, 2 de julho de 2011

Agora quer ser moralista...


Mirian Rios, apresentadora de TV, atriz, sucesso das novelas "Marron Glacê","Escrava Isaura", "Bambolê", "Clone" e outras, nascida em Belo Horizonte no dia de Novembro de 1958, que foi casada por mais de 10 anos com o cantor Roberto Carlos, teve 3 filhos (nenhum com o cantor) cujo um é com o ator André Gonçalves, que também  lançou o livro "Eu, Mirian Rios", em 2006, que conta toda a sua história de vida e conversão à Renovação Carismática Católica.
A atriz deixou de exercer a profissão quando foi eleita em 2010 deputada estadual pelo PDT-RJ, graças a expressiva votação do também apresentador Wagner Montes, que obteve mais de 500.000 votos. Atualmente preside a Comissão Permanente de Turismo, e é membro Titular das Comissões de Cultura, Comissão a Prevenção ao uso de drogas e Dependentes Químicos em geral e Normas internas. Olha só, de atriz, ídola da Teledramaturgia brasileira a uma pessoa pública, tantos títulos ganhos além da glória pra mais tarde ser infeliz, causando polêmica na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro ao associar homossexualidade com pedofilia em Junho de 2011.
No discurso, Mirian diz que quer deixar bem claro, que não é preconceituosa e não discrimina; que prega o amor e respeito ao próximo e, da mesma forma que faz isso, quer também ser respeitada por suas decisões. "Aqui eu gostaria que meus filhos crescessem pensando em namorar uma menina, para pertetuar a espécie, como esta em Gênesis"_ Cita ela se referindo a bíblia.
Ela disse o que? que não tem preconceito, que não discrimina e respeita o próximo? E que quer respeito também?
A príncipio a gente nota o quanto ela é desinformada se tratando do ponto de vista dela à homossexualidade, generalizando o individuo que tem essa orientação sexual como pedófilo. Suponhamos que a sociedade generalizasse assim como ela, nisso, deixariamos de levar nossos filhos à igreja devido as denuncias de Pedofilia que alguns padres já sofreu. Segundo pois desconhece o potencial de trabalho de um individuo homossexual em qualquer área, tanto na casa dela como em qualquer outra empresa. O que faz o profissional é o talento e não a opção sexual. Quarto, pois misturou os sentimentos dela, religiosidade, sem respeitar o direito do próximo, se esquecendo do passado, pra querer ser uma moralista social e religiosa nos dias de hoje.



"Quem não tem teto de vidro que atire a primeira pedra..."